O concreto armado e suas vantagens

O concreto armado e suas vantagens

Voltar

Em 1849, Joseph Louis Lambot, engenheiro francês, realizou experiências introduzindo ferragens em massas de cimento. Ele construiu um barco de cimento armado que não só foi capaz de flutuar, mas também navegou no lago de sua propriedade, no sul da França. Em 1855, Lambot apresentou seu barco na Exposição Universal de Paris, imaginando que sua invenção seria bem aceita e, assim, seria possível pensar em obras maiores feitas com esse material. No entanto, a Administração da Marinha de Toulon considerou o seu material inadequado e descartou sua ideia.

Nessa mesma exposição, o horticultor e paisagista Joseph Monier interessou-se pelo cimento armado, pois viu nele a possibilidade de criar caixas para armazenar suas plantas, já que os outros materiais que utilizava, como madeira e cerâmica, apodreciam ao estar em contato com a terra úmida. Assim, Monier começou a produzir vasos e caixas de cimento armado, em vários tamanhos e formatos, e passou a vendê-los.

Suas criações deram tão certo que ele começou a construir outros artefatos com o material, como tubos de encanamento e reservatórios. Em 1875, construiu uma ponte de 4,0 metros de largura e 16,5 metros de vão. Desde aquele então, Monier começou a patentear suas obras e, hoje, ele é considerado o inventor do concreto armado, material muito bem aceito nas obras de engenharia.

O concreto armado une a vantagem do aço, que é a alta resistência às trações, e a vantagem do concreto, que é a alta resistência às tensões de compressão. O uso do aço no concreto gerou uma revolução arquitetônica, tanto pelo maior tamanho de estruturas, quanto pelo maior aproveitamento do espaço.

O Museu de Arte de São Paulo (MASP) é um exemplo de prédio que utiliza concreto armado em sua construção. A utilização de estruturas de aço juntamente com concreto permitiu a execução do projeto, que continha o maior vão livre da época (76 metros).

Entre as maiores vantagens do concreto armado, podemos citar: a rapidez na construção, a adaptabilidade, a economia, a conservação em geral, a impermeabilidade, a segurança contra o fogo e a resistência a choques e vibrações. No Brasil, os componentes desse material apresentam um custo relativamente baixo. Além disso, se a dosagem for feita da maneira correta, o concreto armado apresenta uma ótima durabilidade. Outro fator positivo é que sua fácil modelagem contribui para uma boa arquitetura da obra.


Nos dias 19, 20, 26 e 27 de maio, a Krozai oferecerá o curso Cálculo de Estruturas de Edifícios em Concreto Armado, que dará subsídios para projetar, calcular os esforços e dimensionar a estrutura completa de um edifício, da cobertura à fundação. O curso será ministrado pelo professor Paulo Roberto Arantes da Silva, engenheiro civil pela Universidade Federal de Ouro Preto e Especializado em Engenharia de Estruturas pela UFMG.

Para obter mais informações, como o local, o horário e a programação, clique aqui.

 


DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

Receba nossa newsletter